10 grandes problemas quando se constrói uma casa

Quando se constrói uma casa, não se pode esperar que seja apenas um projeto que se deseja que corra bem: saiba que existem problemas com os quais irá ter de lidar. Todos os intervenientes na obra devem saber comunicar bem, por isso, deve ter noção dos diversos problemas que podem ocorrer. Para não ser apanhado desprevenido, ficam aqui 10 problemas comuns que poderão surgir.  

Não conseguir visualizar os espaços e a imagem global

As ferramentas informáticas, os desenhos dos projetistas e as visualizações 3D são os meios mais frequentes para revelar o aspeto final da obra. No entanto, há que ter em conta as dimensões finais dos espaços, através das escalas e cotagem dos desenhos, para que tudo encaixe na perfeição.

2. Não compreender os desenhos de arquitetura

As plantas, alçados e cortes construtivos são os desenhos rigorosos mais importantes, servindo de ponte entre a ideia do arquiteto e a concretização. Idealmente, todos devem saber interpretar estes desenhos porque são o principal documento que revela a encomenda feita ao construtor. Quanto mais detalhado for este documento gráfico, maior rigor terá a execução da obra e mais próximo se estará da realidade que queremos alcançar.

3. Não conseguir a melhor orientação solar da casa e dos espaços exteriores

Nem sempre os arruamentos ou a inclinação do solo é a mais favorável para a perfeita orientação solar do edifício. Aquando da conceção do projeto, o projetista deve saber qual a melhor forma de orientar a casa para a luz e para a paisagem predominantes.

4. O licenciamento camarário ser muito demorado

Nos últimos anos, as imposições legais são cada vez mais apertadas e rigorosas no que diz respeito ao licenciamento camarário das edificações. Para além das questões legais que se devem verificar na implantação ou reconstrução de um edifício, existem formalidades por parte dos técnicos que assinam os termos de responsabilidade que devem ser cumpridas e verificadas, bem como aprovações técnicas de todas as entidades envolventes para aquele local pretendido.

5. A perda de confiança no construtor

Existem fatores no decorrer de uma obra, como alterações no orçamento ou na equipa técnica, que podem deixar o cliente um pouco desorientado com o processo de construção. Na maior parte dos casos é a empresa de construção que arrecada com a culpa destes infortúnios, tornando a sua relação com o cliente final mais frágil. O diálogo transparente é sempre a melhor forma de ultrapassar as diatribes.

6. O financiamento desadequado

Um financiamento desadequado pode pôr em questão a execução de uma obra, uma vez que não garante a cobertura dos custos ou o calendário de pagamentos. Estes desajustes podem transferir-se para o incumprimento das tarefas, pondo em causa as estimativas orçamentais e a calendarização da obra.

7. As derrapagens no orçamento

Quantas vezes não ouvimos dizer que numa construção o nosso maior inimigo é o “já agora…”? Esta expressão traduz-se numa insegurança relativamente ao projeto de arquitetura ou numa extensão dos trabalhos, originando mais custos para o promotor de forma absolutamente direta. Para evitar estas derrapagens orçamentais, o promotor deve obter o maior rigor no documento de orçamentação, bem como no projeto de execução do objeto que quer construir, evitando erros e omissões o mais possível.

8. As alterações meteorológicas no decorrer da construção

As construções ao ar livre estão sujeitas às condições climatéricas. Consequentemente, há máquinas e funcionários que têm de parar quando as condições são mais rigorosas, por questões de segurança ou mesmo por questões técnicas intrínsecas ao uso dos materiais.

9. As faltas de acessibilidades e logística

Uma rua estreita ou um apartamento no 18º andar são consideradas más condições para a instalação dos equipamentos de que uma obra precisa. No primeiro caso, por exemplo, é necessária uma autorização camarária para a ocupação da via nas datas determinadas pelo construtor. Igualmente, materiais que não cabem em ascensores, necessitam do dobro do tempo e mais mão-de-obra para serem transportados. Todos estes fatores devem ser sempre contabilizados em orçamento.

10. A incompleta fiscalização da obra

Quando não se verifica a boa execução da obra, quer na estrutura, quer na aplicação de materiais, o objeto final pode ficar comprometido. Este incumprimento pode levar à demolição e reconstrução de partes da obra, provocando atrasos e mais custos.

Para garantir a boa execução e aplicação dos materiais, uma figura idónea deve fiscalizar os trabalhos, chamando para a atenção os defeitos no mais curto espaço de tempo.

Comentários

Inicie sessão ou registe-se para publicar comentários